(BEDA) Nhoque da fortuna

Oi gente, vamos aproveitar que amanhã é dia de nhoque pra testar essa receitinha sensacional? Então vem comigo!

Para a massa, você vai precisar de:

1 kg de batata
1 ovo grande
1 colher de sopa de manteiga
200 gramas de parmesão ralado
Quanto baste de farinha para dar ponto na massa

Cozinhe a batata com sal até que ela fique bem macia e… Merda, coloquei sal demais. Amasse a batata. Deixa eu provar… É, ficou salgada. Acho melhor não colocar mais sal, né mãe? Vou dar uma maneirada no parmesão também. Quebre um ovo e coloque a manteiga na batata, misturando. Adicione o parmesão e coloque um pouco de farinha. Nesse ponto já pode colocar a mão na massa (HAHAHAHAHAHA QUE ENGRAÇADA QUE EU SOU) e começar a amassar. PUTA MERDA QUE QUENTE! Continue amassando e trate as queimaduras depois. Abra a massa em cobrinhas (tem outro nome?) e corte os pedacinhos com uma faca. Use o mínimo de farinha possível para que a massa fique leve. Melhor colocar uma roupa mais velha porque gruda farinha até na alma. Tarde demais. Já to toda enfarinhada.

Ferva água em uma panela grande e cozinhe o nhoque até os pedacinhos subirem. Assim que eles subirem, retire com a ajuda de uma escumadeira (ou espumadeira? Qual o certo?) e coloque em uma bacia com água fria para parar o cozimento. Senão o nhoque vai cair aos pedaços igualzinho minha vida. Coloque em um refratário e cubra com o molho de sua preferência. Finalize com uma camada generosa de parmesão ralado (agora não é hora de economizar!) e leve ao forno para gratinar.

IMG_0025

IMG_0026

 

Banner fofo feito pela Cacá!

(BEDA) Duplo sentido

Eu tenho uma teoria que as pessoas acabam se tornando a profissão que escolhem. Engenheiros acabam virando computadores. Contadores são frios e calculistas e acabam virando calculadoras ambulantes. E os veterinários… São todos uns animais.

Sério, você já conviveu com um veterinário? Eu já convivi com vários pois: faculdade, estágios, pós e mestrado. Por conta disso, eu sou extremamente treinada em frases de duplo sentido, porque tudo, ABSOLUTAMENTE TUDO era motivo pra piadinhas.

– Mariana, levanta o rabo pra mim?
– Deixa comigo!

E numa profissão onde muitas vezes você está atolado até os joelhos em merda de vaca, bom humor é fundamental.

Nós trabalhávamos de bota de borracha, por isso perdi a conta de quantas vezes ouvi “Bota em você aperta?”. E na hora de tocar as vacas e fazer elas passar pelo tronco, cutucávamos elas com um pedaço de pau. Aí era um tal de “Enfia o pau por trás!”. Toda essa atividade e nós de macacão e bota de borracha. E o calor? Ahhhh com esse calor até jegue na bunda sua. Mas nada como uma chuvinha nas costas, um solzinho…

Mas se você estiver procurando por emoções mais fortes, podemos fazer uns bebês…

Uma foto minha fazendo um neném!

Eu por acaso mencionei que minha especialização foi em reprodução animal? Então quando eu digo que eu manjo dos paranauê de reprodução eu não estou exagerando. Reprodução é foda. E quando você sabe o que aquele monte de hormônios é capaz de fazer, parece que você está ainda mais suscetível ao efeito deles.

E quando eu digo que eu já vi mais pênis do que gostaria, não é brincadeira. Já vi, já peguei e inclusive, já coletei muito sêmen hahaha!

Por isso não se assuste se eu disser alguma coisa que soe como algo sujo e depravado. São anos de treino pra eu finalmente ter chegado nesse nível!

 

Banner fofo feito pela Cacá!

(BEDA) A melhor piada que você vai ver hoje

Ainda sobre ser professora de inglês: eu tenho uma liberdade em sala de aula que eu duvido que outros professores tenham. Quer dizer, escola na minha época era um troço engessado e tinha aquele esquema aluno-sentado-professor-em-pé. O foco da aula era 100% o professor e dificilmente você ouvia o aluno falando. Honestamente, era um troço muito chato, ainda mais se você tem uma aluna tipo eu que tem bicho carpinteiro e fica bem entediada com uma aula tradicional.

A palavra hoje em dia é dinamismo. Ou você tem uma aula dinâmica, ou você perde o aluno. E eu entendo isso mais do que ninguém, já que eu tive que lidar com a minha dose de aulas chatas. Eu no meu estado natural faço bagunça, canto e me mexo bastante durante a aula. Desde que eu esteja falando inglês (e trazendo os alunos junto comigo), pouco importa o método, certo?

Essa semana por exemplo eu estava dando aula pros meus alunos mais jovens (idades entre 12 e 15 anos) quando uma das alunas soltou um “Teacher, eu consigo sentar no chão, dar um mortal pra trás e me levantar!”. O que vocês fariam? Eu falei “Duvido!” e desafiei a aluna hahahaha! Mano, ela conseguiu! Batemos palmas e logo outras alunas estavam falando em dar estrela na sala já que era uma sala grande. “Eu sei virar estrela!”, eu disse. Eles desafiaram. EU FIZ HAHAHAHAHAH! Então sim, eu amo dar aula de inglês porque onde mais você daria estrela em sala de aula?

Minha aula é mais animada que esse gif

Hoje eu estava dando aula e no meio da aula uma aluna pergunta algo pra outro aluno. A sala ficou em silêncio e o aluno disse “Fala pra todo mundo!”. A aluna ficou sem graça e falou que era melhor não. Mas curiosa que eu sou eu enchi a paciência dela até ela me dizer.

“Teacher, sabe qual a diferença entre chupar uma laranja e chupar uma rola?”

O que vocês fariam no meu lugar? Lógico que eu disse que não sabia.

“Não sei, nunca chupei uma laranja!”

Eu passei MAL. Sério, eu ri tão alto que todas as outras salas salas ouviram. Cheguei a cair no chão rindo. Moral da história: inglês é bom, mas não há nada como uma piada suja em português. 

Banner fofo feito pela Cacá!

(BEDA) Dama da noite

Eu poderia muito bem chamar esse post de Louca dos perfumes parte II, mas vamos lá…

Hoje eu fui fazer um treinamento em São Paulo e tamanha foi a pressa ao sair de casa que eu saí sem perfume. Oras, normalmente seria mais fácil eu sair sem roupa de casa do que sem perfume, mas que é que se há de fazer.

Só sei que conforme o dia ia passando, a sensação de que tinha alguma coisa de errado comigo ia se agravando. Eu não estava bem, sabe? Estava murcha, com a moral baixa. Nem associei isso com a ausência de perfume, mas a coisa mudou na hora do almoço. Perto do local de treinamento tem um shopping e fomos almoçar lá. Vi que tinha uma L’Occitane Au Brésil logo no primeiro piso e decidi que passaria lá na volta.

Ano passado eles lançaram uma linha com fragrância de dama da noite e eu fiquei enlouquecida pois: memórias afetivas muito boas associadas com esse cheiro. Dama da noite pra mim tem cheiro de férias, de verão, de calor e de chuva mansa caindo de madrugada. Entrei na lojinha pra finalmente conhecer o perfume e fui atendida por uma moça linda e super atenciosa que eu esqueci o nome porque sou uma pessoa horrível hahahaha. Eu sei que ela nem precisou falar muita coisa porque o cheiro gente, O CHEIRO É UMA COISA MARAVILHOSA!

Eu quero tudo que você tiver dessa linha na loja!

Eu ia levar só o perfume, mas a vendedora foi tão fofa (e me deu um descontinho maroto) que eu acabei levando o hidratante e ainda ganhei um lenço muito lindo de brinde. Mas a melhor parte foi quando eu cheguei em casa e passei o hidratante depois de um merecido banho. ELE TEM MICROBRILHOS MINHA GENTE! A perua louca dentro de mim agradece.

Quem for de São Paulo pode dar uma passada no Shopping Cidade São Paulo na Avenida Paulista pra conferir tudo que eu falei aqui. Sei que eu saí me sentindo poderosa e confiante de novo. O que um perfume não faz por ti né?

Se eu estivesse usando luvas e chapéu, essa era exatamente eu. <3

UPDATE! (26/08/17)

Por acaso achei o seguinte comentário no meu Timehop hoje. Olha Mariana do passado, hoje você tem esse kit lindão!

 

Banner fofo feito pela Cacá!

(BEDA) Coisas que você não deve dizer a um professor de inglês

1) Quantos anos você morou fora do Brasil?
Morei três na Bolívia, foi lá que eu aprendi espanhol. Inglês eu aprendi no Brasil mesmo. Não, não precisa fazer bruxaria, é só estudar.

2) Ain traduz isso aqui pra mim rapidinho??
A pessoa tem zero intimidade comigo, não me chama pra nada, não me manda nem ~scrap~ no meu aniversário e acha que pode pedir favor pra mim. Olha bem pra minha cara e me diz se eu pareço o Google tradutor.

3) O QQ ELES TÃO CANTANDO NESSA MÚSICA?? *tira o celular do bolso e coloca uma música aleatória do Justin Bieber pra tocar*
Se eu não traduzo, eu sou chata. Se eu traduzo, eu estrago a música porque a letra é uma bosta.

4) Você dá aula só ou também trabalha?
Por acaso eu tenho dois empregos.

5) Eu queria aprender inglês, mas é tão difícil!
Se eu ganhasse uma rola pra cada vez que eu ouvisse isso eu estava afogada em rola e feliz.

6) Você fala inglês? Nossa, como você é metida!
Não sou tão metida quanto gostaria, mas vamos levando né?

7) Você é boa de língua? *piscadinha marota*
Eu não sou boa. Eu sou excelente. Eu gosto demais da coisa e quando eu coloco minha língua pra trabalhar eu deixo as pessoas de boca aberta. E você, faz mais alguma coisa da vida além de perguntas constrangedoras?

Banner fofo feito pela Cacá!

(BEDA) TAG: 15 coisas estranhas sobre mim

Tag roubada desse blog fofo.

1. Qual apelido que apenas a sua família te chama?
Minha família me chama de Mariana só. São os outros que tem mania de encurtar meu nome (Má, Mari e etc.).

2. Qual hábito estranho você tem?
Eu decoro placas de carro. É mais um hábito prático do que estranho, já que eu não sei identificar carros pelo modelo (a não ser que seja um fusca).

3. Você tem alguma fobia estranha?
Eu tenho medo de dentista hahahaha! Acho que por isso que cuido tão bem dos meus dentes.

4. Qual música você canta em voz alta?
Várias! Eu tenho o péssimo hábito de cantar quando estou felizinha, especialmente logo cedo. Tu já viu gente feliz logo cedo? Sou eu!

5. Qual mania dos outros que mais te irrita?
Eu detesto que invadam meu espaço pessoal porque a) meu olfato é delicado e b) eu sou ridiculamente sensível. A pessoa que já vem invadindo meu espaço pessoal e botando a mão em mim ou vai me deixar muito puta ou pior, muito excitada. 🙂

6. Quando você está nervosa qual hábito você pratica?
O saudável hábito de ficar quieta num canto até eu poder lidar com minha irritação. Se eu for abrir a boca vai ser só pra falar bosta, então evito.

7. Qual lado da cama você dorme?
Durmo do lado esquerdo porque é o lado mais perto da porta. Do lado direito geralmente ficam meu celular e uma ou duas gatas, depende do frio que está fazendo.

8. Qual foi o seu primeiro bicho de pelúcia e qual era o nome dele?
Uma boneca de pano chamada Soninho. Tenho ela até hoje. 🙂

9. O que você sempre pede no Starbucks?
Não ligo, prefiro Inverno d’Italia. Se estiver frio, peço o Choco d’Italia. Se estiver quente, peço uma soda de limão.

10. Uma regra de beleza que você prega mas não pratica?
Dormir muito! Até queria praticar mais, mas a vida acontece né?

11. Que lado você fica no chuveiro?
Tem um lado certo? De frente ou de costas, depende do lado que eu estiver enxaguando no momento!

12. Você tem alguma habilidade estranha com o seu corpo?
Sou bem flexível, o que me permite fazer as unhas dos pés em casa hahahaha!

13. Qual fast food você sempre come?
Ultimamente eu comi duas vezes no McDonald’s, adoro aquela porcaria radioativa que é o Cheddar McMelt!

14. Qual frase de exclamação que você sempre fala?
Vixe… Eu faço muito “FUDEU!” ou então “ROLA GROSSAAAAAAAAAAAA!” OU TALVEZ “PIROCAAAAAAAAAAAAAAA!”

15. Na hora de dormir o que você realmente veste?
Pijama de frio caso esteja frio. Pijama de calor caso esteja calor.

Banner fofo feito pela Cacá!

(BEDA) Tira a mão de mim!

Eu já cansei de pedir pras pessoas evitarem invasão do meu espaço pessoal, mas brasileiro como um todo é uma raça pegajenta, né? E pior, a pessoa se ofende quando peço pra manter distância ou pra evitar tocar em mim. Eu simplesmente detesto que coloquem a mão em mim. Já tinha até escrito um post quilométrico no falecido Popnoid sobre isso, mas as pessoas… Elas simplesmente não aprendem.

O motivo é simples: eu sou muito sensível. Tanto meu olfato, que basicamente detecta tudo que eu não gostaria de saber sobre uma pessoa (marca de amaciante, o que comeu na janta noite passada, quantas rolas chupou hoje cedo etc.) quanto meu tato são fora do normal. E o que você faz quando a pessoa pega onde não deve?

Pois é, não dá pra fazer nada. Quando você vê já subiu aquele arrepio involuntário pela sua espinha e você já gemeu como se estivesse sido comida na frente de todo mundo.

Esse sábado mesmo eu estava de boa pegando água no intervalo da aula. Estava bem distraída, por isso não vi quando um dos outros professores chegou por trás e começou a massagear meus ombros e minha nuca. Eu não sabia se eu jogava a garrafa de água no chão, se batia nele, se gritava pros alunos me socorrerem… Eu só sei que eu fiquei muito vermelha porque fiquei num estado que não deveria cercada de alunos. Sabe quando você nem consegue articular as palavras? Fiquei até mole e fugi pra sala dos professores.

Coitado do professor veio atrás se justificar dizendo que estava fazendo curso de massoterapia e queria fazer algo legal por mim mas a cabeça tinha parado de funcionar. Eu consegui explicar meio que aos trancos que era melhor evitar colocar a mão em mim e etc, mas ele ficou mais sem graça que eu porque veja bem, ele é gay hahahahaha!

A regra é clara!

Banner fofo feito pela Cacá!

(BEDA) Frustrações de quem tem blog

1) Idealizar um tema lindão e na hora de colocar em prática ele ficar todo cagado
Quem nunca? Na sua cabeça o tema fica maravilhoso, CONSELHEIRO, PAI DA ETERNIDADE E PRÍNCIPE DA PAZ, mas na hora de partir pra realidade fica horrível. O que diabos eu estava pensando? Puta merda, vou voltar pro tema antigo.

2) Ir em blog responder comentário e não ter nada pra comentar no post da pessoa.
Eu me sinto igualmente frustrada quando é post de resenha de filme ou de livro. O que eu comentaria? Ain ki legau, vou procurar pra ler/assistir. Ou pior, cair em blog morto que não é atualizado há meses. Eu me sinto entrando em uma casa abandonada cheia de teias de aranha. Intrusa mesmo, sabe?

3) Receber comentário tosco/nada a ver naquele post que você se esmerou pra escrever.
Olha, eu procuro colocar meu coração em tudo o que escrevo e procuro ler o que outras pessoas escreveram antes de comentar. Eu to abrindo meu coração aqui, porra.

4) Abrir a tela do WordPress e não saber o que escrever. Só sentir.
O tanto que essa tela em branco me intimida, vocês não calculam. Por isso que eu prefiro escrever no e-mail, em um documento no Google Drive ou no próprio Evernote (app de Android).

Eu te entendo, dona Roberta

5) Ter aquela ideia brilhante pra um post pra ver ela desaparecer no ar!
Às vezes eu estou no banho, matutando as coisas tudo e tenho umas ideias que dariam posts bem legais. Mas é impressionante, parece que é só abrir a porta do box que as ideias se dissipam junto com o vapor.

6) O fato de eu ainda não ser uma blogueira poderosíssima convidada para mesas redondas e viagens internacionais.
Não acho certo eu ainda não ser rica e poderosa por conta do blog. Eu seria uma adição valiosa para qualquer situação. 

7) Não poder escrever tudo que eu quero.
Minha maior frustração no momento é não poder falar sobre tudo o que estou sentido. Tenho dois posts no rascunho que provavelmente nunca verão a luz do dia e mais uns três ou quatro no Evernote que nunca nem vão passar perto do meu WordPress. Tanta coisa pra dizer, uma cabeça cheia de ideias erradas e essa inquietação que não passa.

E a vontade de arrancar a cabeça fora né hahahaha

Banner fofo feito pela Cacá!

(BEDA) Passando vergonha

Dê o play nessa música antes de ler esse post.

Eu tenho toda uma história de vida baseada em fazer bosta e passar vergonha. Às vezes eu passo vergonha porque sou o estabano em pessoa e meto os pés pelas mãos com certa frequência. Mas na maior parte do tempo, eu passo vergonha porque to tentando ser uma mocinha bonitinha e educada. Obviamente, eu falho miseravelmente nesse quesito.

Hoje foi o primeiro dia de aula do semestre e, apesar de já ter dado aula pra essa turma, sempre rola uma timidez inicial. Pra descontrair, o livro sugere uma atividade em que contamos sobre momentos embaraçosos que ocorreram recentemente. Apesar de ter mostrado a bunda pra metade do pessoal da fábrica onde eu trabalho recentemente, a primeira história que me veio à cabeça foi outra.

Eu tive que ir no centro da cidade com um moço muito bonito esses tempos. E, sabendo que estaria com ele, eu quis ir arrumadinha né. Não sei se vocês conhecem minha cidade, mas estamos falando de morros íngremes e ruas antigas de paralelepípedo. Mas eu gosto de viver perigosamente e coloquei um salto alto. E foi tudo bem até estarmos voltando pro carro e o meu salto ficar preso em uma grade na calçada.

PUTA. QUE. PARIU. Sabe quando tu quer ir mas o pé fica? Daí tu força e o sapato fica pra trás ahahahaha? Pensa no desespero da pessoa tendo que arrancar o scarpin da grade e tendo que fazer cara de paisagem enquanto o moço bonito tá te observando? ARGH! 

Pelo menos funcionou, meus alunos se identificaram com a história  e começaram a compartilhar os próprios momentos embaraçosos. Eis que uma das alunas compartilha a seguinte pérola:

Eu estava descendo uma escada com um vestido muito curto e salto muito alto. Daí vi um menino bonito no pé da escada e não vi que o salto enroscou no vestido. Eu fiquei presa, me debatendo como um peixe fora d’água. Precisei da ajuda de um amigo pra me desenroscar.

Eu caguei o salto do meu sapato favorito, mas não há nada que se compare a dor de passar vergonha na frente de quem tu tá tentando impressionar.

Banner fofo feito pela Cacá!

(BEDA) Ser adulto

O que é ser adulto pra vocês?

Quando eu era pequena eu achava que ser adulto era fazer o que você tinha vontade. Agora que eu cresci eu entendi que ser adulto é exatamente o contrário. Ser adulto é ter vontade de fazer um monte de coisas, porém não fazer porque:

a) não é certo;
b) faz mal pra você;

Ainda assim, eu não trocaria minha vida “adulta” por nada. Porque todas as minhas escolhas ruins, tudo que eu passei nos últimos tempos, todas as experiências – boas ou más – me tornaram quem eu sou hoje. E tá bom, posso até não ser grandes coisas, mas eu estou muito feliz.

Quer dizer… Ainda assim eu tomo decisões baseadas em impulso e sou toda cheia de querer. Eu quero, eu tenho vontade, eu vou lá e faço. E sendo adulta, só eu posso ser culpada pelas minhas decisões ruins. No fundo somos crianças que aprenderam a se comportar e a fingir que tá tudo bem enquanto tá tudo desabando ao seu redor.

E tá tudo bem galera! Ou vai ficar bem!

Banner fofo feito pela Cacá!