Uma história sobre cabelo

Ano passado eu decidi que ia realizar um sonho antigo meu e pintar o cabelo de rosa. Não qualquer coisa, mas ROSA-PINK-FLUORESCENTE-RADIOATIVO-TCHANAMMMM. Minha obsessão com cabelo rosa é antiga: Gwen Stefani foi minha musa da adolescência e até hoje eu adoro a maioria das coisas que ela faz/usa.

Incluindo cabelo pink e batom vermelho.

Daí eu estava dando aula de inglês, podia ser mais moderninha e talz… Aproveitei que estava com o cabelo platinado e fui numa loja de artesanato que tinha perto de casa e comprei anilina.

O resultado foi um cabelo tão, mas TÃO PINK que eu podia ser observada do espaço juntamente com a muralha da China. Mas não acreditem na minha palavra apenas, vejam a foto que vocês vão ter uma ideia do que eu estou falando.

Eu estava assim…

…e fiquei assim.

Eu tenho pouquíssimas fotos de cabelo pink, e o motivo é bem simples: eu não cheguei a ficar com o cabelo dessa cor nem uma semana. Isso por que alguns dias depois me chamaram pra uma certa entrevista de emprego, e eu até posso parecer meio doida mas não queria chegar lá parecendo uma doida completa de cara né? Taquei tintura castanha no cabelo. Ainda assim, a ponta do meu cabelo ainda ficou rosa.

Quando pediram pra eu retornar no dia seguinte, eu estava disposta a fazer a mudança total pra me livrar do rosa: passei tintura preto-azulada no meu cabelo. Pra mim não era muito chocante porque já tive o cabelo preto muitos anos, mas quem me viu ir do platinado pro rosa pro preto em menos de uma semana deve ter ficado confuso. Meus alunos devem ter achado ótimo ter uma professora diferente a cada aula.

Te garanto que minha voz não mudou nada.

Um ano depois eu ainda tenho um monte de cabelo preto, mas estou deixando crescer e estou cortando aos pouquinhos. Minha meta é voltar a ser loira de novo, porque não acho que o cabelo preto combina mais comigo. Parece que ele me dá uma aparência mais severa.

Dica pra vida de hoje: cabelo colorido só em emprego moderninho. Enquanto o futuro não chega, vamos seguindo com o cabelo “normal” de sempre.