Sobre ser tímida

Eu sou tímida. Talvez esse seja meu segredo mais bem guardado, já que mesmo quando eu me abro e conto isso pras pessoas, elas tendem a não acreditar em mim. “Mas você dá aulas!”, as pessoas me dizem. “Mas você fala bobagem!”, as pessoas me dizem. Sim, vocês estão certos. Mas nenhuma das duas coisa exclui o fato de eu ser terrivelmente tímida.

Talvez tenha a ver com o fato de eu ter sido criada em fazenda. Eu nunca fui muito exposta a pessoas e tudo isso mudou quando tive que mudar pra cidade pra finalmente começar a ir pra escola. E conviver com outras crianças. E perceber que agora eu tinha que lidar com um mundo muito diferente do que eu estava acostumada. Fato é que eu aprendi muito cedo que a timidez podia me atrapalhar muito e que eu precisava dar um jeito de contornar aquele traço indesejável da minha personalidade.

Assim, eu criei uma imagem minha baseada em ser quem eu já era, porém sem a timidez: honesta, faladora de bobagens, ativa, espontânea. O que me permite funcionar hoje em sociedade é essa imagem que eu criei de mim ainda criança. Eu projeto confiança quando na verdade tudo que eu queria era estar em casa trancada sozinha com meus gatos. E já faz tanto tempo que eu uso essa máscara extrovertida que quase pensei que eu havia me tornado a máscara. Maaaaassssss… Tem uma coisa que denuncia o que eu estou sentindo por dentro.

Eu fico vermelha. Não só vermelha, eu fico rosa luminescente, como se lâmpadas pink se acendessem por debaixo da minha pele. Então enquanto eu estou tentando manter a poker face, eu estou brilhando que nem esse Papai Noel.

E provavelmente fazendo a mesmíssima cara.

Pior ainda, bem recentemente uma pessoa tem feito essa máscara que eu uso pra esconder a timidez cair com uma facilidade incrível. Basicamente eu paro de funcionar perto dele. E o que eu acabo mostrando é a menina tímida que foi criada em fazenda e que no fundo só quer agradar os outros. Eu me sinto extremamente vulnerável, porque ele conhece meu segredo sórdido. Mas por outro lado, eu gosto de não precisar fingir. Talvez por isso goste tanto de ficar perto dele.